segunda-feira, 30 de julho de 2012

Reflexão - por Lécia Freitas


Eu não sou uma pessoa noveleira. Eu vejo novelas somente quando estou em casa à noite. Nesses dias, de férias, estou tendo oportunidade de assistir o embate de Carminha e Rita. E, é claro, não estou gostando do modo como o autor está tramando a vingança da personagem no que diz respeito ao trabalho das empregadas domésticas. Se todo trabalho é digno, então por que o autor coloca esse trabalho como modo de vingança? Em uma de suas falas Rita diz à Carminha que ela é um traste, que não sabe fritar um ovo sequer. Na verdade não é fácil fritar um ovo. Um ovo bonito, estrelado, no ponto, não é para qualquer um. Todo mundo sabe que ser cozinheira, arrumadeira, dona de casa, enfim, não é fácil. Hoje há cursos de todo tipo para quem quer aprender e se especializar em qualquer uma dessas tarefas/profissões. Então do jeito que o autor coloca, eu acho que ele está diminuindo esse trabalho. E se alguém disser que as empregadas não são de confiança, kkkkkk: em todas as profissões existem pessoas não confiáveis. Realmente existem patroas que humilham, e muito, as empregadas, mas não é pelo trabalho que realizam: é porque são pessoas que se acham melhor que as outras. Pretensiosas, orgulhosas... coisas assim. O ser humano é tão insignificante!
Eu já trabalhei em muitas casas. Tive patroas de todo tipo. Não me sinto menor por isso, pelo contrário. Eu me divirto quando me lembro de como as patroas e os filhos das patroas agiam comigo e com os outros empregados. Uma pobreza “de cabeça” de dar dó. De que adianta ter dinheiro? Limpar banheiro, desentupir vaso sanitário, esgoto de pia é nojento? Tem mau cheiro? Talvez ... Mas algum de vocês já sentiu o cheiro de um cadáver em decomposição? Pois é... Talvez os ricos pensem que só pobre dá mau cheiro. Ou, como diz o Padre Gabriel Bessa, tem gente que acredita que nem vai morrer! Mas a batata de todos está assando!
Ah, mas a Rita está pleiteando um quarto melhor para as colegas. Bobagem, o negócio é ser feliz. Tem gente que mora no luxo e nem por isso. Isso tem prá todo lado. Vejam só, em todas as escolas que conheço, existe a SALA DOS PROFESSORES. Eu não sei se acontece em todas as escolas, mas o fato é que as serviçais, quando podem, “comem” lá fora, junto com baldes e vassouras. Preconceito, discriminação tem prá todo lado e eu acho que todos temos algum. O que não pode acontecer é sermos dominados por ele. 
Eu, caros amigos do Face, sinto um prazer danado quando consigo resolver um problema daqueles que citei lá atrás. Seja aqui em casa, ou na Creche onde eu trabalho e onde o serviço não pode parar porque tem dezenas de crianças para serem atendidas a tempo e hora. E eu sou pobre, mas sou limpa, com o nome limpo, etc. ect. E sou muito cheirosa. E não me importo por não ter dinheiro para comprar em lojas tipo O2, Casas Levi, lugares onde fui “quase” colocada pra fora. (Na loja Drops, meu filho foi convidado a sair, KKKKKK. Ô tristeza, a testa tá inchada de tanto chorar!) 
Voltando a falar sobra a novela: vingança já é uma coisa triste, desse jeito, então, é bem pior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário